Blog
Pré moldados
16 / Abr / 2019

O que são Pré Moldados?

 

Quando se fala em pré-moldados, quem é admirador das grandes obras de engenharia logo pensa em modernidade. Vem à cabeça enormes vigas utilizadas para construção de pontes e viadutos, ou mesmo imensos arranha-céus, edifícios comerciais e até estádios de futebol  construídos de forma ágil e sem desperdício.

 

Se você tiver curiosidade, pergunte a alguém que não atua na área da construção civil o que vem à mente quando se fala em pré-moldados. Se a pessoa tiver ao menos uma ideia do que seja, é possível que você obtenha respostas do tipo:

 

Eu me lembro de pedreiros usando moldes de madeira para criar meio-fios, paredes, mourões

 

Penso num tanto de trabalhadores encaixando algumas peças de concreto e montando as construções, como se fosse um Lego gigante.

 

Vejo os caminhões chegando na obra com um tanto de peças já prontas que o pessoal da obra apenas encaixa umas nas outras e faz a construção.

 

A ideia por trás dos pré-moldados é exatamente essa: fabricação de materiais de construção por meio da colocação de concreto em um molde. Após a secagem, essas peças são levadas para a obra e lá são montadas.

 

Apesar de essa tecnologia ser bastante comum hoje em dia, pouca gente sabe a história dos pré moldados.

 

Quando surgiram os pré-moldados?

 

Se você pensar que a construção civil existe desde o início da civilização, é difícil dizer quem foi a primeira pessoa a ter essa brilhante ideia: criar uma peça fora do local da obra e levar esse material para o canteiro apenas na hora de levantar a casa.

 

Há quem diga, por exemplo, que as pirâmides do Egito foram montadas com imensos blocos de pedra que eram cortados longe do lugar da obra e transportados para lá. Isso é ou não uma obra pré-moldada?

 

Existe também uma história bíblica que ilustra bem esse conceito. Conta-se (I Reis, 6:7) que o rei Salomão convocou trabalhadores para construir o Templo. No entanto, esses operários deviam cortar as pedras na pedreira e levá-las para o local da construção. As peças eram encaixadas umas nas outras, de modo que um detalhe chamou a atenção de quem estava nas proximidades da construção: não havia barulho.

 

Veja o que está escrito:

 

O Templo foi construído com pedras que haviam sido preparadas nas pedreiras, para que assim, durante a construção, não se ouvisse o barulho de martelos, machados ou qualquer outra ferramenta.

 

Note-se que há milhares de anos o conceito de pré-moldados já era praticado na construção civil.

 

Alguns estudiosos do assunto afirmam que os romanos também utilizaram peças pré-moldadas na construção de diversas de suas famosas obras de engenharia, muitas das quais existem até hoje.

 

O uso dos pré-moldados se popularizou

 

Mas a popularização do uso de pré-moldados ocorreu principalmente na Europa, após a Segunda Guerra Mundial.

 

Diante da necessidade de reconstrução das cidades devastadas pela guerra, somada à pouca mão-de-obra disponível, os engenheiros da época passaram a  desenvolver métodos construtivos mais ágeis e de menor custo. Uma das soluções encontradas foi a pré-moldagem das peças de concreto.

 

Aproveitando-se dos conceitos trazidos pela Revolução Industrial, relacionados à padronização, produção em série e automatização, teve início uma verdadeira industrialização da engenharia.

 

O desenvolvimento de vários estudos sobre o Cimento Portland e o Concreto Armado também contribuiu para a viabilidade da utilização de pré-moldados de concreto.

 

Diversos edifícios habitacionais e comerciais foram construídos utilizando-se esse método construtivo. Naquela época, todos os componentes estruturais eram fabricados por um mesmo fornecedor, o que se convencionou chamar de ciclo fechado de produção.

 

Houve um período de rejeição aos pré-moldados

 

Essa excessiva padronização, porém, trouxe uma imagem ruim às construções pré-moldadas, principalmente pela falta de flexibilidade no projeto arquitetônico das edificações. Além disso, a ausência de controle prévio de desempenho acarretou o surgimento de muitas patologias.

 

Nas décadas de 1970 e 1980 houve alguns acidentes com edifícios construídos com painéis pré-moldados, o que acabou aumentando a rejeição social a essa tecnologia. Isso também contribuiu para uma profunda regulamentação do uso de elementos pré-fabricados em  grandes construções.

 

Ao longo dos anos seguintes ocorreu a demolição de grandes conjuntos habitacionais em razão da rejeição social e da deterioração funcional das edificações.

 

A retomada definitiva do uso de pré-moldados

 

Após essa fase, o controle tecnológico das estruturas pré-moldadas passou a ser uma das principais preocupações das empresas que lidavam com esse sistema construtivo.

 

Houve a consolidação de uma pré-fabricação de ciclo aberto, na qual as peças podiam ser provenientes de diversas origens, desde que fossem compatíveis entre si. Para garantir essa compatibilidade, investiu-se na criação de módulos padronizados que poderiam ser associados com produtos de outros fabricantes.

 

Outra preocupação foi com a flexibilidade na utilização dos pré-moldados. Seria importante viabilizar sua adequação a projetos arquitetônicos diferentes e permitir mais possibilidades de acabamentos de qualidade.

 

Muitos estudos nesse sentido foram desenvolvidos desde então. Hoje em dia, a utilização dos pré-moldados não está mais restrita ao chão de fábrica. Já é possível produzir componentes no próprio canteiro, com alto grau de controle de qualidade e de organização da produção.

 

Além disso, o uso de pré-moldados é bastante comum, tanto em obras de grande porte, como pontes, viadutos e grandes edifícios, quanto em construções de menor porte, como casas, pequenos galpões e módulos independentes (escadas, lajes, banheiros etc).

 

O uso de pré-moldados no Brasil

 

Embora o Brasil não tenha sofrido grandes impactos com a Segunda Guerra, após a década de 1950 houve grande avanço no processo de racionalização e de industrialização de sistemas construtivos. Muitas das tecnologias desenvolvidas no exterior foram importadas para o Brasil, possibilitando sua popularização.

 

Desde então, muitas construções de diversos portes estão sendo criadas utilizando-se sistemas pré-moldados de concreto, os quais trazem uma série de vantagens aos empreendimentos imobiliários:

  • - versatilidade
  • - flexibilidade arquitetônica, possibilidade de ampliações
  • - redução nos prazos de conclusão
  • - facilidade de implantação em lugares distantes e com pouca infra-estrutura.
  • - economia nos custo
  • - segurança
  • - baixa manutenção.

 

Se você pretende utilizar pré-moldados de concreto na sua obra e aproveitar todos esses benefícios, a Incobraz tem a solução para você.

Nossa especialidade é a confecção de pré-moldados de concreto de alta qualidade, com rígido controle tecnológico e adequados aos projetos de nossos clientes.

Acesse nosso site e conheça a linha de produtos pré-moldados que a Incobraz tem para lhe oferecer.


 

Redação Qwtech

Comente essa publicação